Skip to content.
 
     
 HOME   
 
 
Eventos
Do
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    
Contactos

Av. D. Dinis, nº 17
Apartado 257
2431-903 Marinha Grande

Tel:(+351) 244 575 150
Fax:(+351) 244 575 159
 

CEFAMOL apresenta "Guia para a Internacionalização e Cooperação"

Trata-se de um estudo, encomendado pela CEFAMOL - Associação Nacional da Indústria de Moldes, e plasmado num documento com 74 páginas, sobre a Internacionalização em Cooperação das empresas do setor de moldes, apontando como vantagens a possibilidade de uma participação efetiva nos processos e nos planos desenvolvidos e o acesso a países e a mercados integrados no âmbito macrorregional.

O investimento direto no estrangeiro pode ser uma das respostas a algumas das condicionantes que se colocam, atualmente, à indústria de moldes no acompanhamento dos seus clientes a nível global. Tal investimento poderá permitir ultrapassar a situação de elevada dependência (das empresas portuguesas) de mercados tradicionais que pode ser entendida como uma vulnerabilidade. Possibilita também "contornar o que a estatística evidencia: a concentração da atividade comercial internacional nas grandes áreas geográficas", assumindo ainda "um papel de relevo no processo de diversificação de setores-clientes, nos casos em que a localização de atividades, junto de clusters ou polos pré-existentes e consolidados, pode constituir o fator necessário para criar laços, parcerias e desenvolver negócios".

Estas são algumas das conclusões do 'Guia para a Internacionalização em Cooperação'.

"Esta iniciativa pretende sensibilizar e capacitar as empresas para diferentes modelos de cooperação e interação no mercado, que dinamizem a sua internacionalização", explica Manuel Oliveira, secretário-geral da CEFAMOL, considerando que esta pode ser "uma excelente oportunidade para as empresas ganharem dimensão e gerarem massa critica que permita minimizar riscos e aplicação de recursos, conseguindo assim tornarem-se mais fortes e competitivas e seguir alguns dos seus principais clientes a nível global".

A ideia-chave do documento é a cooperação: internacionalizar, mas não sozinho. O estudo defende, como recomendação, a criação de alianças estratégicas entre as empresas como "um instrumento metodológico adequado".

Estas alianças, refere ainda o documento, deverão ser "acordos de cooperação" entre duas ou mais empresas para melhorar a sua posição competitiva e o seu desempenho através da "partilha de recursos". As empresas parceiras devem também contribuir de forma permanente numa ou mais áreas estratégicas-chave para o acesso aos novos mercados, complementando capacidades críticas e compartilhando riscos ou custos de projetos em desenvolvimento. Dão corpo, desta forma, a "uma visão de longo prazo, materializada no investimento em capacidades produtivas ou prestação de serviços destinados à entrada num mercado estrangeiro".

 

Estratégia

A CEFAMOL e o Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos (CENTIMFE) "podem criar instrumentos e desenvolver ações facilitadoras" à internacionalização em cooperação, como a criação de "uma base regional de formação e de inteligência competitiva", o aprofundamento da participação em projetos de integração regional, defende o estudo que realça também a necessidade de se manterem os modelos tradicionais de abordagem aos mercados internacionais (como as missões empresariais ou a participação coletiva ou individual em feiras). Aconselha ainda a que seja mantida a gestão da comunicação da marca coletiva 'Engineering & Tooling from Portugal' - em sintonia com a empresa gestora 'Pool-net' - devendo apostar-se ainda na "constituição de um embrião de um serviço com competências especializadas como elemento facilitador da identificação, constituição e de apoio à gestão de alianças estratégicas".

O estudo refere-se ainda a esta estratégia como a resposta a algumas motivações associadas ao investimento, nomeadamente o crescimento em resultado do acesso a novos mercados e clientes, o acesso à participação em redes de fornecimento que exigem uma abordagem local e o desenvolvimento de uma posição de mercado, questões essas, que em conjunto, incluem a possibilidade de seguir clientes pré-existentes e acessos a novos mercados, como, por exemplo, o México, Marrocos ou os EUA.

No estudo é também proposto um modelo a seguir no que diz respeito ao planeamento da aliança entre as empresas, sublinhando a importância de serem tidas em linha de conta questões como a seleção dos parceiros, a negociação e estrutura, a operacionalização e gestão e o controlo e performance da aliança, na lógica de cada um dos parceiros.

A estratégia definida e aconselhada surge como o resultado de uma rigorosa análise (que faz parte deste guia) à evolução económica dos mercados, no setor de moldes e plásticos, nos últimos anos, mas também à evolução do próprio setor nas últimas décadas.



Revista "O Molde"
Nº115 - outubro 2017

Destaques

MOLDPLAS, de 8 a 11 de novembro, no Centro de Exposições da Batalha

Entrevista a Joaquim Menezes, Presidente da ISTMA Europe

O Sector fala de... Polimento

Oportunidades no Golfo: Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Qatar
Market Report
Nº17 - abril 2017

Destaques

Pré-Internacionalização

Negócio Arriscado

Hungria: um Mercado no Centro da Europa
Projectos
 
Ferramentas Pessoais