Esta plataforma utiliza cookies de terceiros para melhorar a experiência do utilizador e os serviços que prestamos. Ao continuar a navegar, consideramos que aceita a sua utilização.

Futuro do sector passa pela maior cooperação entre empresas

Voltar à listagem

CEFAMOL promoveu jantar-debate 'Desafios na Indústria de Moldes'


A necessidade de definir uma estratégia de desenvolvimento alicerçada na cooperação entre empresas do sector foi uma das principais conclusões do jantar-debate 'Desafios na Indústria de Moldes' que, organizado pela CEFAMOL - Associação Nacional da Indústria de Moldes, decorreu no dia 20 de março, na Marinha Grande.

Mais do que um debate, o encontro - que contou com a presença de quase uma centena de participantes - constituiu-se como um alargado momento de reflexão sobre a indústria, no qual vários dos presentes partilharam as suas preocupações e experiências.

"A cooperação é uma necessidade clara do sector que, quando nasceu, há 70 anos, soube fazê-lo e, com isso, conseguiu crescer e afirmar-se. Hoje, tem de encontrar uma forma de o voltar a fazer, até porque os outros, lá fora, estão a conseguir fazê-lo", considerou Pedro Pereira, Vice-presidente da CEFAMOL, sublinhando que "cabe às empresas, para além das instituições, dar o passo nesse sentido".


Ao longo do debate, a cooperação, tal como destacado por vários dos presentes, permite às empresas ganhar escala, reduzir custos e conseguir competitividade num momento em que as mudanças, sejam tecnológicas ou de mercado, acontecem a um ritmo vertiginoso.


"No início da nossa história, os empresários deste sector conheciam-se; muitos fizeram a escola ou trabalharam juntos. Cooperar era mais fácil. Hoje, não há esse conhecimento tão profundo, mas tem de se encontrar o caminho para criar esse espírito de cooperação", frisou Pedro Pereira.


Desafios
José Morais, consultor e formador com larga experiência no sector, foi o moderador do encontro. Na sua intervenção, definiu, como sendo os principais desafios com que se depara atualmente a indústria de moldes, oito temas: os recursos humanos; a abordagem comercial, concorrência e dependências; a sucessão; a produtividade comparada; o acrescentar valor e ser reconhecido por isso; a atualização tecnológica; a propriedade das empresas; e a cooperação no seio do sector. Foi precisamente este último tema que considerou como "o maior desafio", afirmando que, se tal for alcançado, permitirá "ajudar a solucionar muitos dos outros".


Com experiência e conhecimento que tem do sector, José Morais sublinhou que alguns dos desafios se têm mantido presentes ao longo dos anos. Deu como exemplo a questão dos recursos humanos, afirmando que, se antes, a dificuldade era a qualificação, hoje em dia, alia-se a ela a escassez de mão-de-obra. Por isso, considerou fundamental "apostar mais e melhor na gestão dos recursos, na liderança, nas equipas e no empowerment", frisando que a situação é hoje "mais crítica do que era há dez ou 15 anos".



Sublinhou ainda a necessidade das empresas diversificarem, quer mercados, quer ramos de atividade para os quais produzem, de forma a não perder capacidade. Chamou a atenção para a questão da produtividade das empresas, lembrando que, apesar das melhorias no planeamento, os métodos de trabalho são "uma questão que precisa de ser aprofundada".


Centrando-se nas novas tecnologias e no conceito ‘Indústria 4.0', José Morais aconselhou prudência e ponderação nos investimentos, considerando que, antes de adquirir, as empresas devem pensar em rentabilizar o que já têm, mas sem perder o foco e a atenção nas novas soluções que vão surgindo no mercado.


O consultor lançou ainda um alerta para uma reflexão, em relação à propriedade das empresas, lançando algumas questões relacionadas com o futuro do sector em função das aquisições de organizações por fundos de investimento. "Não sabemos quais as consequências ou riscos para o sector que, a médio e longo prazo, estas aquisições vão trazer", referiu, aconselhando a que essa situação seja devidamente estudada e ponderada, podendo a mesma estar diretamente relacionada com o tema da sucessão empresarial.


Esta iniciativa, muito participada e dinâmica, e com grande intervenção dos presentes enquadra-se nos trabalhos preparatórios do X Congresso da Indústria de Moldes, que será promovido pela CEFAMOL nos dias 29 e 30 de novembro de 2019.

Agenda