Esta plataforma utiliza cookies de terceiros para melhorar a experiência do utilizador e os serviços que prestamos. Ao continuar a navegar, consideramos que aceita a sua utilização.

Politécnico de Leiria, Nerlei e Cefamol revelam aumento de bolsas de estudo e das empresas associadas para 2019/2020

Voltar à listagem

No próximo ano letivo sobe para 39 o número de empresas que patrocinam 53 bolsas de estudo Politécnico de Leiria + Indústria a estudantes das Escolas do Politécnico de Leiria. Durante o “VII Encontro Politécnico de Leiria + Indústria”, em conjunto com a Associação Empresarial da Região de Leiria (NERLEI) e a Associação Nacional de Indústria de Moldes (CEFAMOL), o Politécnico de Leiria anunciou novas tipologias de apoio das empresas:


Programa Mestrados + Inovação: inclui o apoio financeiro das empresas a estudantes que desenvolvam projetos relevantes para as mesmas


Programa de “Labelling”: remodelação de quartos nas residências de estudantes, em que as empresas ajudam financeiramente para a criação de melhores condições.


  


“Ligar pessoas, estratégia e performance” foi tema deste encontro”, que decorreu no dia 16 de julho, no Edifício da Resinagem, na Marinha Grande. Na sessão que juntou convidados e empresários da Região, para realçar a ligação já consolidada entre a Academia e a Indústria, Cidália Ferreira, presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, enalteceu as potencialidades da Região e da cidade, nomeadamente a vertente industrial, com a sua ascensão e inovação ao longo dos tempos, desde o vidro e o plástico à produção de moldes. «Temos um espaço de inovação industrial, uma aposta que se vê refletida nesta parceria com o Politécnico de Leiria. A Marinha Grande e a região serão sempre a casa da ciência e do conhecimento», afirmou a autarca.


Rui Pedrosa sublinhou a relevância de ter cada vez mais o conhecimento ao serviço da sociedade. «É muito importante atrair e reter talento para garantir a grande competitividade que existe entre os territórios. Como tal, importa destacar quatro pontos: o ensino de qualidade, a qualidade de vida deste território, a segurança e a cultura», salientou o presidente do Politécnico de Leiria. «Este protocolo Politécnico de Leiria + Indústria cada vez mais afirma o território. Devo agradecer a visão de duas instituições [Cefamol e Nerlei], que trazem para a luz do dia a inovação e a responsabilidade social.»


O presidente da Cefamol, demonstrou o seu agrado pelo envolvimento neste projeto em 2013, que derivou de uma série de necessidades e da falta de aproximação entre o meio académico e o meio empresarial. «Passámos de sete bolsas no primeiro ano para 41 bolsas em 2018 e de sete empresas para 33, o que equivale a um investimento líquido de 150 mil euros, e claro, à força de vontade», indicou João Faustino. «Cada vez há mais a necessidade de soluções integradas, de novos métodos e processos, e o investimento em tecnologia. É preciso termos melhores soluções para o aumento da competitividade e o fomento exponencial da qualidade para chegarmos aos nossos pares internacionais», salientou o presidente da Cefamol.


António Poças frisou a importância do protocolo assinado e da sua efetividade no terreno, bem como das empresas que se associaram a esta iniciativa, acrescentando que «O alargamento das bolsas a todas as áreas de formação do Politécnico de Leiria potencia robustez e flexibilidade, que podem ajudar na resolução de dificuldades que as empresas possam ter». O presidente da Nerlei destacou que «Neste sétimo ano de protocolo devemos apostar no reforço da qualidade da parceria e no fortalecimento da cooperação positiva entre empresas e estudantes.»


Ana Sargento, vice-presidente do Politécnico de Leiria mostrou os principais resultados do protocolo Politécnico de Leiria + Indústria relativos a 2018/2019. A parceria entre as três entidades resultou no último ano letivo na realização de mais de 60 visitas de estudo e 2.793 estágios, mais de 260 seminários e aulas abertas com oradores das empresas, e mais de 140 projetos de licenciatura e mestrado aplicados a empresas. Ao nível da partilha e valorização do conhecimento, foram aprovados 15 novos projetos que envolvem empresas e que representam 22 milhões de euros, e 73 novos contratos de prestação de serviços adjudicados, que equivalem a 850 mil euros.


  


No âmbito dos objetivos da parceria Politécnico de Leiria + Indústria para 2019/2020, Ana Sargento enumerou quatro: o alargamento do impacto do protocolo a todas as Escolas, o aumento do número de bolsas e empresas envolvidas, o alargamento da possibilidade da aproximação das empresas a outras formas de apoio, e o aumento da interação dos estudantes que recebem as bolsas com as empresas que os apoiam.


A gestão de talentos foi o mote da palestra proferida por José Bancaleiro, CEO da Stanton Chase, que destacou que as pessoas são o ativo mais importante das organizações. O CEO mostrou alguns casos práticos de como o capital humano pode ser visto como um custo, onde há a tendência para minimizar, ou como um investimento, que bem gerido deve ter um retorno positivo. «Liderar passa por fazer um investimento de tempo e energia e criar emoção nas pessoas.» José Bancaleiro revelou uma fórmula de sucesso na gestão de pessoas: Competentes + motivados + focados = resultados. Na reta final da sua apresentação, o CEO falou de employer branding e da importância de atrair e reter talentos nas empresas.


Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), encerrou a sessão, num discurso elogioso à Região de Leiria, nas vertentes empresariais, culturais e sociais, e ao Politécnico de Leiria, como sendo um dos melhores do País. «É uma região onde as entidades trabalham em rede e partilham conhecimento. Souberam posicionar-se nas cadeias de valor e internacionalizar-se, o que as mantém competitivas», afirmou a presidente. «Na região de Leiria celebra-se com orgulho os sucessos uns dos outros. Os projetos de investimento apoiados são dinamizados por empresários locais, o que aumenta a capacidade de produção e a realização de atividades.»


«O Politécnico de Leiria fez muito pelo País, sobretudo a nível político, apelando ao reconhecimento do ensino politécnico, sempre apoiado pelas entidades da Região, o que reflete o espírito das pessoas e das organizações», valorizou a dirigente, que ainda salientou o facto do Politécnico de Leiria ter tomado a dianteira, ao realizar uma parceria com as empresas, indo ao encontro das necessidades do mercado de trabalho. Ana Abrunhosa terminou a dar os parabéns às empresas que abrem com generosidade as suas portas aos jovens, e ajudam o Politécnico de Leiria a formar melhor os seus estudantes, não esquecendo de que são as empresas que geram riqueza e emprego numa região.


Protocolo Politécnico de Leiria + Indústria
O protocolo de cooperação formalizado pelo Politécnico de Leiria, a NERLEI e a CEFAMOL em 2013, consiste no desenvolvimento de atividades conjuntas que visam proporcionar aos estudantes o contacto com o tecido empresarial desde o primeiro ano, através de formação em contexto de trabalho, o desenvolvimento de projetos em parceria com as empresas, a utilização prática dos conteúdos programáticos das unidades curriculares, uma primeira interação com a realidade de trabalho, e identificação e potencialização das ações e projetos conjuntos.


Fonte IPLeiria


Agenda