Esta plataforma utiliza cookies de terceiros para melhorar a experiência do utilizador e os serviços que prestamos. Ao continuar a navegar, consideramos que aceita a sua utilização.

Empresas familiares devem apostar na profissionalização da sucessão - Programa Talentum

Voltar à listagem

O desafio que se coloca às empresas familiares é que consigam, de forma profissional, “criar uma ponte entre o curto e o longo prazo, de forma a garantir a sustentabilidade futura”. Estratégia, médio prazo e consolidação são, nesta matéria, as palavras-chave e a evidência é uma: as empresas que preparam a sucessão de forma sólida são as que conseguem ter mais sucesso.


Esta foi a principal mensagem, sob forma de desafio, deixada na última sessão deste ano de 2020 do Programa Talentum. Sob o tema ‘Família e profissionalização das empresas’, o webinar, organizado pela CEFAMOL e dinamizado, como habitualmente, por Artur Ferraz, da International Business Consulting (IBC), decorreu no dia 10 de dezembro, contando com mais de duas dezenas de pessoas na assistência ‘virtual’.


Admitindo que este é um tema “nem sempre fácil de abordar” pelas estruturas familiares, Artur Ferraz defendeu que é “necessário criar um plano estratégico que ligue o ponto em que a empresa se encontra na atualidade, com a missão de definir o seu posicionamento a longo prazo”. O foco deve ser colocado nas empresas e não nas pessoas, enfatizou, considerando que, por mais que os fundadores desejem que os projetos sejam seguidos no seio da família, isso só deve ser aplicado, de forma a ter sucesso, com a devida preparação da geração seguinte.
Para isto, sublinhou, é fundamental que exista comunicação nas organizações. Não apenas operacional, mas plena e eficaz.


O desafio está centrado na própria família. E esta deve, por fases, conseguir profissionalizar a gestão, implementar processos rigorosos de tomada de decisão, saber separar os papéis dos elementos da família e garantir canais adequados de comunicação para todos.


Neste caminho, é fundamental também entender a cultura empresarial da organização e preparar as ações necessárias para a sua transformação. E neste ponto, é muito importante que as empresas consigam definir uma equipa para trabalhar especificamente neste processo, uma vez que neste tipo de organizações “o lado emocional tem um peso enorme, sendo necessário tempo para levar o processo a bom porto”.


E aos fundadores das empresas, foi deixado um alerta: “não há pessoas que fiquem cá para sempre”.


Mudança nas empresas
E na última sessão do ano, os promotores consideraram, em jeito de balanço, que eventos como estes, “sendo feitos de forma continuada e sistemática, promovem mudanças internas nas empresas”.


“Muitas pessoas têm referido que, no seguimento destas ações, têm lançado a discussão internamente com as suas equipas”, tendo sido sublinhado que “este era o grande desafio: fazer mexer em assuntos importantes e fazer acontecer, lançar a discussão interna”. No entanto, “temos consciência que estes processos são lentos pois muitos hábitos estão cristalizados”. Por isso, “é preciso persistir para que a mudança ocorra”.


O Programa ‘Talentum’ está a decorrer desde o início de 2019, tendo como prioridade abordar e refletir sobre um conjunto de questões relacionadas com a Inovação Organizacional e o papel das Pessoas nas Organizações, seja através destas sessões de sensibilização (atualmente online devido à pandemia de Covid-19), seja com ações concretas dinamizadas nas empresas.



Manuel Oliveira, secretário-geral da CEFAMOL, afirmou, no final do último webinar de 2020 que a Associação tem como objetivo manter este programa no próximo ano, de forma a trabalhar novos temas, seja através de sessões/webinares, seja no contacto mais direto com as empresas.


Agenda