Esta plataforma utiliza cookies de terceiros para melhorar a experiência do utilizador e os serviços que prestamos. Ao continuar a navegar, consideramos que aceita a sua utilização.

A importância da escolha dos canais quentes para fornecer a indústria médica

Voltar à listagem

As indústrias médica e farmacêutica afiguram-se como de grande relevância para as empresas de moldes. A exigência e o rigor destes sectores obrigam ao cumprimento de alguns requisitos específicos, como forma de alcançar níveis de elevada qualidade. Um destes fatores assenta na escolha dos canais quentes. Esta foi, em resumo, a principal mensagem do webinar técnico ‘A Tecnologia de Canais Quentes para a Indústria Médica e Farmacêutica’, que decorreu no dia 24 de março.


Foi uma sessão a duas vozes. Por um lado, Manuel Kaletsch da Ewikon, na Alemanha, que deu nota das soluções que a sua empresa, especialista em tecnologia de canais quentes, disponibiliza ao mercado. Por outro, Márcio Felício, da Eurocumsa – representante da marca alemã em Portugal - explicou as vantagens da escolha destas ferramentas.


Qualidade, resistência, durabilidade e inovação são, segundo Manuel Kaletsch, as principais características dos seus sistemas de canais quentes. A empresa, contou, é detentora de uma vasta experiência neste tipo de materiais e tem um centro técnico que se dedica à investigação, a trabalhar em permanência, quer no aperfeiçoamento, quer no desenvolvimento de novas soluções. Antes de colocado no mercado, cada novo produto é testado e verificado, adiantou.


“A excelência” é a prioridade da marca, destacou, explicando que, no que diz respeito a sistemas de injeção, disponibiliza dois tipos de produto: um ‘premium’ e outro mais económico. É o primeiro, salientou, que, pelas suas características, se destina aos moldes para as indústrias médica e farmacêutica. Exemplificando, através da exibição de alguns vídeos, o desempenho destas soluções, Manuel Kaletsch deu ênfase à diversidade, por um lado, e à qualidade que aportam ao processo de fabrico.


Márcio Felício acrescentou que, pelas suas particularidades, estes sistemas não revelam problemas em moldes para, por exemplo, espessuras mais finas. Exemplificou que a indústria médica tem exigências muito elevadas no que diz respeito às cavidades e esta solução “garante estabilidade porque admite um balanceamento muito pequeno”, tratando-se, também, de “um processo muito clean”. Para além disso, enfatizou que os sistemas têm “um nível muito fácil de manutenção”. A escolha dos sistemas de injeção que disponibilizam ao mercado, adiantou, “é um investimento em qualidade”.


Os dois oradores reforçaram ainda que a marca tem diversas soluções para as indústrias médica e farmacêutica, bem como para outro tipo de moldes para produtos como embalagem ou alimentar, ajustadas em função de vários parâmetros, entre os quais o material a injetar. “Os sistemas de injeção são, no processo de fabrico do molde, praticamente tão importantes como a experiência do fabricante”, concluiu Márcio Felício.


A sessão contou com a presença ‘virtual’ de mais de três dezenas de profissionais da indústria de moldes.

Agenda

array ( 'type' => 8, 'message' => 'Use of undefined constant id - assumed \'id\'', 'file' => '/home/cefamol/public_html/datafuncs.php', 'line' => 1423, )